Artigos

Gostaríamos de pensar que nossos maiores cérebros pudessem desvendar os mistérios mais entruncados da natureza. Mas alguns aparentemente simples fenômenos ainda se escondem depois do véu do conhecimento humano.

Texto original por Michael Anft - extraído da Johns Hopkins Magazine, edição: fall 2011
Traduzido por Tathyane F. Gonçalves
Revisado por Michelle Tavares

Universo

Nós rimos. Nós coramos. Nós beijamos. Mas por quê? O que, evolutivamente falando, são as vantagens de trocar germes quando um beijo molhado é fortemente integral para propagar a espécie? Nós viajamos numa pequena pedra que orbita um anão amarelo de uma estrela na borda de um bilhão de galáxias no universo. De onde vem todas as galáxias? Nossos corpos e mentes respondem à farsa que acontece quando pílulas de açúcar são substituídas por remédios. O que faz o tão chamado placebo funcionar realmente?

Não importa o contínuo mistério cercando o câncer e outras doenças incuráveis, ou o enigma do desaparecimento do conteúdo da sua gaveta de meia. Cientistas continuam intimidados por algumas das mais básicas perguntas sobre o comportamento humano, o cosmos e os “blocos” crescentes da vida.

A lista do que a ciência não sabe é volumosa. 14 bilhões de anos de história natural não-revelados  – as maquinações do universo, das células, moléculas, átomos, quarks, do porque animais e humanos fazem o que fazem – nos poucos séculos que a humanidade desvendou e aperfeiçoou o método científico é um tarefa que bate junto com seus próprios passos cautelosos. Não obstante o questionamento interminável, camada sobre camada de observações, e longas horas de laboratório, a ciência continua a ser ridicularizada pela natureza – ou pelo menos perturba e faz se revirar à noite. Aqui estão seis “problemas” que deixam a ciência perplexa.

 

O que Compõe 95% do Universo

A resposta para a mais básica das questões – o que há lá fora? – vem passando por constantes revisões por milênios. Aristóteles pensava que tudo poderia ser explicado pelo quarteto de terra, ar, fogo e água. Durante o século passado ou anterior, vários descobridores das menores coisas - átomos, elétrons, quarks e outras partículas subatômicas - postularam que esses pequenos pedaços de matéria formam cada nada do Universo infinito, e da Terra, também.

Acontece que os átomos e outras partículas que conhecemos e entendemos constituem apenas cerca de 5% da coisa toda. Décadas atrás, os astrofísicos que tinham tentado "pesar" toda a matéria e energia no universo, sabiam que seus cálculos somados a uma figura impossivelmente grande, dado que a maior parte do espaço (sideral) é assim bem, espaço. Como explicar isso?

Em 1998, uma equipe internacional de pesquisas, incluindo o PAD por Harvard, Adam Riess, agora um professor de física e astronomia do Johns Hopkins, investigou a luz que emana de estrelas de bilhões de anos explodindo. Riess descobriu que aquelas estrelas estavam se distanciando - um sinal não só de que o universo está se expandindo, como Edwin Hubble  tinha colocado em 1929, mas que está se expandindo mais e mais rápido o tempo todo. A causa oculta que estimula tudo no universo, a acelerar separadamente agora é chamada de energia escura, uma espécie de antigravidade que se peso ocupa espaço.

"A energia escura pode ser nada mais do que o quanto nada pesa", diz Chuck Bennett, um professor de física e astronomia na Universidade Johns Hopkins. Também poderia ser a "constante cosmológica", uma quantidade apresentada por Albert Einstein para servir como um contrapeso à gravidade. Nós agora sabemos que o raciocínio de Einstein para a introdução desta constante alegada estava errado, mas a constante cosmológica, com um valor diferente do que Einstein propôs, é o atual candidato favorito para a energia escura. Nós também sabemos que a energia escura ocupa cerca de 74% do universo.

Estudos subseqüentes no telescópio, liderados por Bennett se focou na radiação de fundo das micro ondas cósmicas, restos de luz que datam a partir do Big Bang, confirmaram a existência de outra entidade "escura" que timidamente permeia o universo com pedaços de coisas estranhas. Chamada de matéria escura, não responde à luz e radiação e não é feita de átomos. É responsável por cerca de 21% da densidade de energia do universo. Matéria escura contém massa, o que levará a que seja detectada, medida com mais precisão, e caracterizada. Milhares de cientistas, incluindo algumas dúzias da Johns Hopkins,  estão  esmagando partículas da matéria em um causador de colisões de energia subterrâneo na Suíça, para ver se eles podem criar e detectar a matéria escura. Outros estão tentando detectá-la à medida que passa sob minas antigas em Minnesota.

"Nós vamos ver alguns desenvolvimentos incríveis que nos ajudam a explicar a matéria escura, possivelmente entre três a cinco anos", prevê Jonathan Bagger, vice-reitor para os programas de graduação e de pós-doutorado na Universidade Johns Hopkins e professor de física e astronomia. "A casa vai cair para a ciência conforme descobrimos matéria escura embaixo da Terra.

Mas ainda há a infinita questão sobre o que está acontecendo fora da casa. "Nós realmente não temos muito como lidar com a energia escura", admite Bagger. O que significa que ainda não sabemos o que constitui cerca de três quartos de tudo o que "sabemos".

 

Por Que Precisamos Dormir?

Pergunte a alguém que tenha trabalhado um turno duplo, ou passou a noite estudando para uma prova - uma noite sem dormir é como um dia sem ar. Os seres humanos se desintegram sem oito ou mais horas de uma noite com olhos fechados. Quando nosso sono é regularmente interrompido, nos tornamos muito mais sensíveis à dor. Nossos órgãos e sistema nervoso central tornaram-se muito menos eficientes. Se estamos limitados a quatro horas de sono, nossas células brancas do sangue criam altos níveis de inflamação que levam à doenças. Se nós cortarmos quatro horas de sono para cada uma das seis noites consecutivas, vamos desenvolver resistência à insulina, uma condição que pode levar ao ganho de peso e, eventualmente,diabetes. Nosso humor sofre: somente as pessoas clinicamente deprimidas  melhoram sua condição por dormir menos. É ainda pior para um rato insone, cuja incapacidade de manter o seu sistema imunológico, metabolismo e temperatura do corpo se prova fatal.

É quase universal em todo Zoologia - todas as criaturas, salvo os musaranhos(espécie de roedor) e algumas plantas, precisam dormir, hibernar ou de outra forma desligar. Mas por quê?

Duas teorias prevalecentes argumentam que o sono ou restaura a energia que precisamos para crescer, ou ele nos ajuda a adaptar-nos às ameaças. Ambos os conceitos ligam a idéia de que a evolução nos fez dormir por uma razão, o que parece ser uma verdade conveniente para contar para o seu chefe no dia você chega atrasado. "O sono nos deixa vulneráveis a predadores na natureza. É um estado potencialmente perigoso", diz Michael Smith, professor associado de psiquiatria e medicina comportamental da Universidade Johns Hopkins. "Então, evolutivamente, tinha que apresentar funções importantes."

Smith, que estuda a relação entre privação de sono e dor, vê valor em ambas as teorias. "Pode ser um sistema de ajuste fino para o organismo. É restaurador", diz ele. Alguns pesquisadores que testam aquela hipótese procuram por um químico ou substância vital no corpo que seja totalmente sintetizada ou quebrada somente durante o sono. Outros estão procurando evidências de que as redes cerebrais podem teoricamente conseguir obter o descanso e recarga de que precisam para funcionar plenamente durante as horas de consumo de energia do dia.

Mas há provas para confirmar isto - e é aí que a teoria  adaptativa entra em jogo. Durante o sono da fase dos movimentos oculares  rápidos (REM), os neurônios no cérebro trabalham como se estivéssemos  acordados. O cérebro está longe do descanso, produzindo os sonhos detalhados que tendemos a lembrar. Certos tipos de memórias são  armazenadas e consolidadas durante o sono REM - não é por nada ou por motivo nenhum, aparentemente, que nos é dito, que vamos tomar uma melhor decisão sobre o assunto depois de dormir. "REM pode ter algo a ver com o nosso sistema nervoso quando somos muito jovens, inclusive quando somos fetos", acrescenta Smith. Tudo o que ajudaria uma espécie inteligente-emergente a se adaptar e sobreviver melhor.

Um mecanismo adaptável auxiliado pelo sono pode ajudar a tornar os nossos cérebros melhores em aprender e reter as coisas. Mas nem todo mundo compra toda essa ideia. Ter suco suficiente no tangue para agüentar até o próximo dia pode ter mais a ver com isso. "Isso tudo pode se transformar em energia." diz Samer Hattar, um professor associado de biologia na Escola Krieger de Artes e Ciências. Hattar estudou a relação do sono com o ritmo circadiano em várias espécies por 18 anos. "Sempre que há um limite de energia - o sol para fazê-lo e oxigênio para abastecer funções - os animais tendem a desligar. Isso se encaixa com as nossas ideias sobre ritmos circadianos porque nós os desenvolvemos. É importante maximizar o tempo quando você pode reunir energia. "Morcegos, por exemplo, dormem mais que 20 horas por dia, economizando energia para as poucas horas do dia, quando os insetos dos quais alimentam estão fora.

Hattar não acredita no alarde “o sono é perigoso”, também. Animais que não estão se movendo são menos propensos a chamar a atenção dos predadores, diz ele. Dormir pode ser uma forma de se esconder. "Dormir pode ser vantajoso porque quando você não precisa obter energia, você pode se “desligar” e conservar a que você tem", diz ele.

Além de debater as razões pelas quais nós dormimos, os cientistas continuam tentando descobrir como nós regulamos a quantidade quando precisamos dormir e como a falta de dormir adequadamente se transforma em fonte de desenvolvimento para doenças. Mas a ciência só investigou o sono intensamente por cerca de 60 anos - nem de longe o tempo suficiente para descobrir exatamente por que passamos um terço de nossas vidas mortos para o mundo.

 

Como Nós Tomamos as Decisões?

Nós fomos, basicamente, programados pela evolução para tomar decisões que nos levam a comer, beber, fazer sexo, e buscar outros prazeres. A questão é: como tomamos decisões que exigem maior raciocínio?

Como todas as questões relacionadas com a matéria cinzenta, as respostas não são claras. "Nós provavelmente não sabemos 99 por cento sobre como o cérebro faz o que faz", diz Charles "Ed" Conor, professor de neurociência no Instituto de Ciência do Cérebro da  Johns Hopkins. Ainda assim, pesquisadores estão fazendo grandes progressos na compreensão das coisas no nível celular e molecular, acrescenta. Eles entendem que o cérebro coleta informações entregues pelos sentidos, e quando os dados atingem uma massa crítica, partes do córtex pré-frontal agem como juiz e júri, levando-nos a chegar a uma conclusão.

"Nós sabemos dos experimentos de comportamento humano que o contexto na tomada de decisão é muito importante", diz Veit Stuphorn, um professor assistente no Instituto de Ciências do Cérebro."Isso implica que há um processo computacional,e que a tomada de decisão não é algo preordenado ou determinista." O altamente desenvolvido - e amplamente não entendido - sistema que atribui níveis de valor para cada opção que podemos considerar deve explicar melhor sobre tudo isso. O cérebro chama e computa estímulos no seu valor, e depois puxa o gatilho situacional, milhares de vezes por dia. Mas como é que foi parar lá? Quando e quais células cerebrais básicas (chamados neurônios) ‘pegam fogo’? Quimicamente falando, como é que o cérebro atribui um valor a alguma coisa? E como é que funciona para decidir qual valor entre muitos é mais valioso em um dado momento?

 

Stuphorn e sua turma estão no escuro, sentindo-se aí com a ajuda de macacos reso experimental, esperando que eles se agarrem a algumas pistas. Eles usam a sede de um macaco, imagens de computador, e eletrodos para ver como ele faz uma escolha entre concorrentes estímulos visuais. "Quando fazemos um macaco ficar com sede, nós aumentamos o valor da água para ele, e que afeta a decisão que ele vai  fazer", explica Stuphorn. Sua equipe nega água ao macaco na maior parte do dia anterior. Se no dia seguinte, o macaco olha fixamente para uma luz da cor correta entre dois mostrado em uma tela de vídeo, como ele foi treinado para fazer, ele recebe água de um tubo de pensamento. Com a ajuda da tecnologia de imagem, Stuphorn pode identificar os neurônios individuais que o macaco usa para fazer escolhas simples como ele faz.

Mas um macaco bom só pode levar a investigação até aqui. Stuphorn diz que ele precisa para medir, de 10 a 20 neurônios em um tempo para responder a perguntas básicas sobre a variabilidade na tomada de decisão - e da tecnologia para fazer isso só agora está sendo afiada. "Estamos apenas no início", diz Stuphorn, falando sobre a pesquisa neurocientífica como um todo. "Podemos ver que certos neurônios representam certas variáveis, como os valores de ação. Mas por que eles mostram o padrão de atividade? Nós não entendemos as conexões entre os neurônios, então precisamos recordar a partir de neurônios múltiplos, simultaneamente encontrar algumas respostas. Nós estamos apenas começando a estabelecer como fazer isso. "

 

Quando um Terremoto Ataca?

Em fevereiro de 1974, um terremoto devastador de 7,3 na escala Richter devastou Haicheng, uma cidade no nordeste da China, que foi na casa de 1 milhão de pessoas. Catástrofes sísmicas não eram nada novo para a China, e na verdade tinham-se tornado mais do que  aparições durante a década de 1960, quando centenas de milhares de pessoas em várias cidades chinesas haviam sido mortas. Mas o evento Haicheng foi diferente. Milhares de camponeses e dezenas de seus líderes locais haviam sido treinadas pelo governo central do Presidente Mao para monitorar eventos ao redor do nordeste da China para anúncios de terremoto, repórteres camponês observaram alteração dos níveis de água em poços, novos gêiseres, cobras que abandonaram a hibernação e, em seguida, morreram em solo congelado e uma bando de ratos correndo. Quando um foreshock(um pequeno terremoto que acontece antes do principal) atingiu Haicheng, autoridades ordenaram sua evacuação. Quando o terreno começou a se mexer cinco horas mais tarde, a maioria dos moradores da cidade estavam muito longe para assistir a 90 por cento da cidade se desintegrar em pó.

Apenas 2.000 pessoas morreram - muitos menos do que a 150.000 que provavelmente teriam morrido se não houvesse nenhuma evacuação. O sucesso do governo chinês despertou a comunidade sísmica. Havia a humanidade finalmente descoberto uma maneira de prever a data e o local de um terremoto? Funcionários federais nos Estados Unidos começaram a incentivar mais estudos sobre como fazer isso na Califórnia, onde a falha de San Andreas apareceu como uma promessa de calamidade.

E em seguida, dois anos mais tarde, um terremoto negligenciou a oferta de um foreshock como um aviso a cidade chinesa de Tangshan, matando 250.000. O trabalho dos camponeses de Mao não tinha servido para nada. Os estudos da Califórnia, previsivelmente suficiente para a retrospectiva, não fizeram muita diferença também. Usando padrões de terremotos para prever quando e onde o próximo irá atacar, as estimativas da US Geological Survey não foram boas - não apenas por anos, mas décadas. "Aprendemos muita coisa sobre a geologia da Califórnia, mas não muito sobre a previsão de terremotos," diz Peter Olson, professor de Ciências planetárias na escola Krieger.

Mesmo que Haicheng oferecesse esperança aos investigadores durante a década de 1970 e 1980, a fé dos sismólogos em fazer previsões é muito mais instável nos dias de hoje. Eles podem dizer com algum grau de probabilidade onde terremotos atacarão e quão fortes podem ser. Mas combinar as coordenadas de tempo e lugar ainda é impossível."Para fins de segurança, podemos estatisticamente prevê-los, mas não com certeza de tempo," diz Olson. A ciência ainda não tem o entendimento básico de como a crosta terrestre se agita e faz manobras. "Com placas tectônicas, podemos compreender a geometria, mas não a dinâmica," diz Olson. "Não entendemos as pressões e forças e como elas agem em atividades sísmicas. Temos de aprender sobre as propriedades físicas da crosta terrestre a 100 km de profundidade e não estamos lá ainda".

Sobre a teoria da ‘sabedoria primaria dos animais’ que o chineses usaram como parte de seu método de Previsão - há alguma evidência para isso. Um estudo recente diz que o sapo comum poderia servir como canário do terremoto em uma mina de carvão. De alguma forma, porém, é difícil imaginar que os cientistas pediriam uma evacuação de milhares de pessoas por causa de alguns anfíbios “pulantes”.

 

O Milagre da Ciência?

Conhecimento produzido por pesquisas curou doenças, abasteceu revoluções tecnológicas e explicou muito do explicável. Mas nós colocamos muita fé no progresso científico?

Durante o Rugido dos anos 20, vendas de carro explodiram e fortunas cresceram, e ainda Henry Ford foi pouco feliz. A borracha de pneu que precisava para manter suas linhas de montagem de rolamento veio exclusivamente de fornecedores estrangeiros e um resgate de custos. Portanto, em 1927, Ford convida um amigo, inventor de celebridade e cientistas Thomas Alva Edison, a descobrir uma fonte interna de borracha natural. Ford e o magnata dos pneus Harvey Firestone levaram Edison na Flórida, onde explorou 17.000 de plantas, procurando uma que poderia ser usada para fazer a borracha.

Um ano mais tarde, Ford foi enviado por uma delegação de Michigan notável de sua confiança de cérebro junto com vários milhões de dólares em barcos através da selva amazônica, abrindo o que ele esperava ser a resposta do Hemisfério Ocidental para o monopólio britânico em massa de borracha no Leste. Ford fundamentou que por derrubar a selva e replantá-la com árvores de borracha resistentes, a disponibilidade de borracha iria subir rapidamente. Ele chamou o empreendimento "Fordlândia".

Em 1936, a Ford tem mais do que uma dica de que sua fé na ciência não iria ser recompensado. Embora Edison tivesse encontrado Golderod (árvore nativa da América do Norte) como um potencial para fonte de borracha, Ford e Firestone, ficaram decepcionados com o ‘Mago de Menlo Park’ e os resultados, feitos fora do laboratório. Uma década mais tarde, Fordlândia fechou após botânicos da Ford aprenderem tarde demais que seringueira Sul-americanas somente permaneceriam saudáveis se espalhadas por todo o bosque, juntamento com outras árvores nativas.
A lição? Até mesmo pilhas de dinheiro, o poder de uns "grandes homens" do século XX  e as melhores mentes científicas não poderia produzir progresso sob demanda. E ainda em nossa época, quando a descoberta científica é frequentemente confundida com o desenvolvimento economico e a marcha da tecnologia, a lição é muitas vezes esquecida.

"A roda foi inventada na antiga Babilônia, um eixo foi adicionado algum tempo depois e até o motor a vapor, nós realmente não acrescentamos alguma coisa nova," diz Maria Portuondo, professora assistente de história da ciência e tecnologia na escola Krieger. "Ciência e tecnologia às vezes parecem produzir essas explosões, estes inesperados parafusos, seguidos de períodos de calmaria. Então eles podem começar a fazer mais descobertas surpreendentes."

Esses "parafusos" são muitas vezes produzidos não por gênios solitários, adiciona Portuondo, mas pelos pensadores que, como Isaac Newton colocam eles, sobre os ombros de gigantes. E leva tempo. Somente um século depois que Copérnico publicou seu argumento para um sistema solar heliocêntrico, Newton desenvolveu a matemática por completo, explicou ele. Portuondo "a moderna noção de progresso não compreende o ritmo da ciência", diz.

O Presidente Richard Nixon prometeu uma cura para o câncer em cinco a dez anos - há 40 anos. Mais recentemente, quando os cientistas empurraram para bilhões de dólares com o apoio do governo federal, para concluir o mapeamento do genoma humano inteiro, eles prometeram que descobertas genômicas criariam uma nova geração de drogas de luta contra a doença. Ainda, oito anos depois não foi sequenciado o genoma humano inteiro, as companhias farmacêuticas e os sofredores da doença ainda esperam pela recompensa. "Em geral, cientistas devem parar de fazer promessas não realistas,” Portuondo diz. “Nós estamos acostumados a ver com o programa espacial, o que foi vendido como um programa de descobertas científicas mas era, na verdade, uma Guerra Fria da tecnologia com a ciência em segundo plano.”

 

Quantas Pessoas no Planeta serão MUITO?

Em 1978, um partor e estudioso anglicano chamado Thomas Robert Malthus publicou Um Ensaio sobre o Princípio da População, uma confusa previsão do crescimento da população. Metade do mundo da humanidade estava se aproximando de 1 bilhão, e em seguida pessoas educadas estavam começando a me perguntar quantas humanos carentes, gananciosos a Terra poderia prender antes que as refeições e outros recursos se esgotassem – o que demógrafos e cientistas da saúde pública chamam agora de capacidade de carga. Formulação de Malthus foi triste: o abastecimento de alimentos do mundo cresce matematicamente, ou por vício, enquanto as populações humanas desenvolviam-se com a fecundidade da geometria, pela multiplicação.

Na ausência da fome e da doença, uma população crescendo assim excederia a capacidade que o mundo tem para oferecer.

Desde então, o mundo tem adicionado 6 bilhões de pessoas, com a perspectiva de 2 bilhões a mais até 2050. Para a maior parte do século passado, Malthus tem sido ridicularizado como o Ceifeiro Impiedoso da demografia, um exemplar do cinismo e pensamento limitado. A humanidade, afinal, tem superado seu grande mármore azul de um planeta, e ainda, um número notável de pessoas vive no colo de luxo, livre de preocupações sobre a comida e, em grande parte, morte prematura de doenças. A engenhosidade humana tem envolvido Malthus.

Ou, ele tem? Um bilhão de pessoas, um sétimo da contagem global, não tem o suficiente para comer todos os dias. "Se você acha que 1 bilhão de desnutridos é OK, então eu acho que podemos apoiar o número de pessoas que temos agora," diz Robert Lawrence, um professor a Bloomberg School of Public Health Center para Um Futuro Suportável. "Mas e se o termo capacidade de carga realmente significar alimentar todas as pessoas do mundo, então não estamos nem perto".

Tais observações lançam uma chave inglesa em tentativas para calcular uma estimativa razoável de quanto a Terra pode conter . Para complicar ainda mais 1 bilhão de pessoas estão com sobrepeso ou obesas, ja que muitas delas vivem em zonas onde a agricultura suporta um enorme rebanho de gado – dificilmente os usuários mais eficientes de alimentos, Lawrence adiciona. Se a dieta Ocidental fosse diferente, poderia a Terra cuidar daqueles que não conseguem o suficiente para comer e talvez daqueles que estão por vir? As tendências são contrárias a esse pensamento. Grande parte do resto do mundo em desenvolvimento, incluindo China e Índia, está começando a imitar os nossos hábitos alimentares, à procura de mais carne e alimentos de alimentos lácteos. Lawrence estima que, se todos comerem como nós, o mundo poderia apoiar cerca de 4 bilhões de pessoas - que são de 3 bilhões de pessoas a menos.

Fenômenos relacionados com a mudança climática e pico do petróleo, o ponto no qual cada total de suprimentos de combustíveis fósseis começa a diminuir, fazem chegar a um número máximo de terráqueos bem suportados impossível. ("Eles são universais," diz Lawrence). Degradação ambiental forjada de escavação para diminuição de suprimentos de energia, metais e minerais limita a quantidade de habitats que a humanidade pode usar para agricultura ou pasto. E a crescente utilização de água ameaça os suprimentos de comida, também. Quase 70% da água do mundo é atualmente utilizada para a agricultura. Mas com o crescente desenvolvimento e prosperidade, muito desse suprimento será ameaçado. Crescimento agrícola limitante atuará como um breque à população, como Malthus teorizou?

Como pode parecer o futuro, se a população continua a aumentar e a humanidade não recebe uma ajuda em seu prementes problemas de clima e recursos? Lawrence diz que os países empobrecidos, ambientalmente frágeis como o Haiti e a Nigéria, onde a maioria vive na miséria, oferecem pistas. "Sua população ultrapassou a capacidade do país de suportá-los," diz Lawrence. "Eles existem devido a assistência do resto do mundo. Estes são exemplos de dilema Malthusiana, a nível de país".

Embora alguns demógrafos acreditam que o envelhecimento das populações no oeste e na China e no Japão irá diminuir o crescimento universal por volta de 2035 para 2050, Lawrence diz que estamos mais propensos a ver a decomposição e paisagens vazias rodeadas por aqueles maiores e mais populosos, não uma queda global da taxa de propagação humana. O que acontece depois que ninguém adivinha – é o memso que quanto tempo vamos ser capazes de suportar um planeta repleto de gente.

Dois séculos de valorosa história revelaram que Malthus está errado - embora na longa corrida, o velho pode acabar tendo seu último riso ímpio.

 

Nós Estamos Sozinhos?

Como os cientistas, começando a sério na década de 1960, despertaram-se para a possibilidade de superação da Terra, eles começaram a tramar uma saida. Astrofísicos voltaram sua imaginação em direção ao espaço procurandos corpos celestes que seriam amáveis com a humanidade. Depois de 50 anos de viagem no espaço, eles começaram a descer, figurativamente falando, nos exoplanetas - organismos como terra desse círculo estrelas em outro lugar na nossa galáxia. No último ano e meio, a missão de telescópio Klepler da NASA transmitiu imagens e informações que mostram que existem milhões de exoplanetas.

"Kepler descobriu que há muitas 'Terras' lá fora, em termos de massa," diz Richard Conn Henry, professor de física e astronomia na Johns Hopkins."A questão é, algum deles tem que uma atmosfera de oxigênio como a nossa?" Essa atmosfera criaria a possibilidade de que os seres humanos poderiam um dia, mudar para um novo planeta com recursos próprios. Mas a eventual existência de terra - como exoplanetas levanta outra questão: E se existem planetas ou luas lá fora que já estão habitados? E se nós não estamos sozinhos?

Já sabemos que a Europa, uma das luas de Júpiter, apresenta um oceano subterrâneo líquido que poderia, concebivelmente, suportar a vida. E Titã, uma lua de Saturno, envolvido em metano oferece o tipo de desequilíbrio entre o planeta e atmosfera que excita os cientistas a pesquisarem a vida de extraterrestre. Juntamente com outros cientistas em todo o mundo, Henry procura por vida inteligente. Ele é um dos vários investigadores em todo o mundo que usará a ‘Allen Telescope Array’, financiada por um rico executivo da Microsoft, em busca de ondas de rádio de civilizações extraterrestres. Ele diz que ele tem pouca dúvida de que há vida lá fora em algum lugar, embora as circunstâncias da Terra, um planeta na borda de uma galáxia e distante dos buraco-negros centrais e radiação que bombardeia, podem significar que nosso tipo de vida é relativamente raro. "Eu duvido seriamente que o universo é Manhattan," diz o Henry.

Ainda assim, muitos Astrobiólogos e cosmólogos acreditam que a terra pode ser a Nova Iorque, Nova Iorque do universo; Se nós conseguimos aqui, a vida consegue chegar em qualquer lugar. Nada disso é superinteligente o suficiente para transmitir seu conhecimento em todo o cosmos?

Henry é esperançoso de que seres mais inteligentes do que nós - talvez os produtos de um planeta com uma história de 10 bilhões de anos de vida, em oposição à terra de 4 bilhões de anos - irão enviar-nos uma mensagem, possivelmente após assistir de seu planeta, como a Terra e a Lua viajam em toda a luz do Sol. Se ele nos contactarem, "nós estaríamos recebendo uma Enciclopédia Galáctica de seres que provavelmente não estiveram por perto por talvez 100 milhões de anos," diz o Henry. "A analogia que eu faço é se Sócrates tivesse um telefone em sua mesa e um de nossos especialistas agora quem sabe grego antigo, magicamente chamasse ele, o que a  civilização grega acabaria por fazer? McDonald’s. Nós basicamente iriamos destruir sua civilização." Nòs seríamos os gregos desta vez.

Emular uma cultura avançada arruinaria a nossa. Apesar dessa perspectiva triste, Henry diz que ele gostaria de receber um comunicado do outro lado da galáxia com os ouvidos abertos - uma postura que simboliza o espírito de investigação científica. "Eu sentiria uma mistura de sentimentos sobre isso tudo," ele diz. "Mas eu iria ouvir".