Artigos

Texto original por Kristen Intlekofer – extraído da Revista Johns Hopkins, edição: winter 2011
Traduzido por Tathyane F. Gonçalves
Revisado por Michelle Tavares

Tire suas conclusões

As pessoas fazem muitas coisas em nome da saúde. Nem todas elas são saudáveis. Aqui temos 10 práticas que podem fazer mais mal do que bem.

Nó somos bombardeados por mensagens para sermos saudáveis – “As 5 Super comidas que você não pode viver sem”, “12 dicas para um coração mais saudável”, “3 surpreendentes remédios naturais de frio”, “8 dicas para uma vida saudável em movimento”. Nunca antes tivemos acesso a tanta informação sonora sobre a saúde. Mas nunca antes tivemos acesso a informações não-sonoras, bem como às dietas bizarras da moda ou outras práticas obviamente insalubres. Aqui estão 10 práticas que parecem saudáveis, mas poderiam fazer mal.

 

Nós temos uma pílula para aquilo

A indústria de suplemento alimentar é grande - um negócio de USD $27 bilhões, em grande parte não regulamentada, de acordo com relatórios do consumidor. No início deste ano, a CNN notou que mais de 50% dos adultos nos Estados Unidos usam suplementos, que muitas vezes são promovidos como tratamentos: não importa o que aflige, a pílula direita ou cápsula de gel pode ajudar. No site do Shoppe a vitamina, graciosamente, pode aliviar a dor nas articulações e melhorar a sua vida sexual. Multivitamínicos diários são os mais populares, usados por quase 40% dos adultos americanos. Mas nos últimos anos as pessoas começaram a tomar grandes doses de vitaminas específicas para evitar doenças – vitamina E para evitar doenças do coração, betacaroteno para prevenir o câncer, vitamina C para prevenir ou tratar o resfriado comum.

A maioria dos suplementos vitamínicos não são perigosos em si, diz Benjamin Caballero, professor de nutrição humana na Escola Bloomberg de saúde pública. O perigo surge quando você exagera. "As pessoas crêem tanto no fato de que um suplemento irá impedir uma doença, ou lhes impedirá de envelhecer, que tomam doses realmente exageradas," diz Caballero. "Em vez de uma cápsula por dia, eles tomam cinco ou oito." Em tais doses elevadas, vitaminas podem ser prejudiciais.

Tomar vitamina C. É um nutriente essencial que nosso corpo precisa para desenvolvimento e cresimento normal. Ela ajuda na reparação e crescimento do tecido, e é um antioxidante que bloqueia danos causados por radicais livres. Durante anos, a vitamina C foi promovida como a resposta para o resfriado comum. (Lembra-se da Airborne? Ela foi originalmente comercializado como um remédio para prevenir resfriados, até a Airborne Inc. mudar sua composição depois de sofrer um processos de milhões de dólares por falsas alegações. Agora, a mensagem geral, "Ajuda  seu sistema imunológico" gravado na embalagem do produto.) Mas não são apenas os benefícios não comprovados de megadoses de vitamina C , que podem fazer mal, diz Caballero. "Com vitamina C, onde as recomendações são 75 miligrams por dia, [algumas] pessoas tomam cincos, seis gramas" - 80 vezes a dose recomendada - "e o famoso Linus Pauling recomendou que tomem 10 gramas por dia. E, claramente, se você tomar cinco a 10 gramas de vitamina C todos os dias, você tem um risco muito maior de ter pedras nos rins, calcificações em seus rins, ou algum outro problema."

A vitamina E, um antioxidante naturalmente encontrado em nozes e óleos vegetais, é outro exemplo. Nos últimos anos, suplementos de vitamina que contenham megadoses do nutriente têm sido usados para prevenir doenças cardíacas e câncer, mas em outubro, um grande estudo federal revelou que não só estes suplementos não são eficazes na prevenção de câncer de próstata, comos eram suscetíveis a aumentar o risco de câncer - homens que tomaram suplementos diários de vitamina, aumentaram seu risco de desenvolver câncer de próstata em 17%. Embora os pesquisadores tenham parado a triagem quando descobriram este efeito adverso, os casos de câncer se mantiveram em aumento durante vários anos após os participantes pararem de tomar os suplementos.

O perigo com suplementos, diz Caballero, é que é muito mais fácil ingerir uma quantidade tóxica de uma vitamina tomando pílulas do que comendo. Por exemplo, o Instituto Nacional de Saúde relata que suplementos de vitamina E contêm a quantidade média de 100 a 1000 UI por comprimido. Você teria que comer mais de quatro xícaras de amêndoas para obter uma mera 100 UI de vitamina E. (Ingestão diária recomendada para adultos é de 22,4 UI.) Em países desenvolvidos como os Estados Unidos, muitos alimentos são enriquecidos. Você já pode estar consumindo mais nutrientes do que você imagina.

Também é complicado definir níveis tóxicos. Níveis máximos de nutrientes ainda não foram estudados em profundidade porque os pesquisadores não podem dar às pessoas uma overdose conhecida só para ver o que vai acontecer. E também pode levar muito tempo para efeitos adversos aparecerem. Em vez disso, o Instituto de Medicina especifica uma ingestão diária recomendada e um nível superior (o montante máximo que você pode consumir com segurança sem efeitos adversos). Caballero observa, "para alguns nutrientes, a distância entre o nível superior e a ingestão recomendada é relativamente estreita, talvez 4 vezes, 5 vezes. E com suplementos e fortificação um  nutriente pode potencialmente atingir isso."

Sobre o suplemento mais popular, o multivitamínico diário, Caballero diz que se você tomar apenas a dose diária recomendada, é improvável que você vai ter uma quantidade de tóxica de qualquer um nutriente, mas é provavelmente um desperdício de dinheiro. Porque em uma pílula você está tomando todos os nutrientes ao mesmo tempo, você está criando concorrência para absorção no seu intestino que diminui a potência das vitaminas, "Eu não acho que é um perigo, tendo em conta as doses de Centrum e todos estes suplementos multivitamínicos típicos, é apenas urina cara [produtora], "diz ele. "No entanto, você não deve presumir que tomar suplementos dá-lhe um benefício que substitui ter uma dieta saudável  e equilibrada e ser ativo regularmente. Para reduzir seu risco de doença cardiovascular ou diabetes,  é preciso de anos e anos de dieta saudável e atividade. Infelizmente, isso é do jeito que está."

 

Soja – Comida miraculosa ou perigosa ?

Vários anos atrás, seus promotores anunciaram a soja como um milagre dos alimentos, baixo teor de gordura, colesterol e fonte de proteína. Pesquisadores dizem que, embora ela possa diminuir o risco de câncer de mama, minimiza os efeitos de flashes quentes e aumenta a densidade óssea em mulheres. Em seguida, veio uma "folga da soja" (como um repórter descreveu), com as pessoas dizendo que a soja não é apenas milagrosa, é perigosa.

Alimentos de soja são bons, mas deve se ficar de olho em suplementos de soja, diz Bruce Trock, SPH 87 (PhD), diretor da divisão de epidemiologia do Instituto de urologia de Brady. "Nenhum dos estudos que analisaram a dieta de consumo normal de alimentos de soja apontou qualquer indicação de risco," diz Trock. "Assim, enquanto as pessoas estão tentando obter sua dieta de soja - comendo coisas como tofu, leite de soja, nozes de soja, sopa de miso – Eu acho improvável que eles estejam arriscando sofrer algum dano com isso. E pode haver benefícios." Um estudo apresentado na associação americana para pesquisa do câncer no início deste ano, que olhou para dados de mais de 18.000 sobreviventes do cancer da mama, concluiu que as mulheres podem comer alimentos de soja sem aumentar seu risco de recorrência de câncer.

Mas suplementos de soja podem ser perigosos, Trock diz, porque muitos deles são altamente processados, o que pode realmente alterar a atividade biológica do produto de soja. Em vários estudos com animais, suplementos de soja causaram um aumento no crescimento do tumor; outro estudo descobriu que quanto mais processado o produto de soja, mais aumenta a taxa de crescimento de tumores em animais de laboratório. E com suplementos, é possível obter nutrientes individuais em quantidades muito elevadas e em proporções diferentes do que você iria obter se comesse alimentos de soja. "Há uma razão para qual estas coisas são chamadas de micronutrientes. Nossos corpos precisam delas em quantidades muito pequenas. E eles simplesmente não funcionam isoladamente, elas funcionam em combinação, por isso muitas vezes não é apenas a quantidade individual que é importante, mas o equilíbrio entre vários micronutrientes, "diz Trock.

 

Fazendo dieta sozinho

Muitos americanos  podem perder alguns quilos, ou algumas dezenas. A Organização Mundial da saúde estima que mais de 70% da população americana está com excesso de peso ou obesidade e doenças do coração contam para 35% das mortes nos Estados Unidos. Embora alguns planos de dieta sejam tão obviamente ruins que chegam a ser ridículas, outras abordagens podem parecer sensatas e ainda assim estar fazendo mal.

Um erro drástico é o não supervisionamento ao fazer a dieta - uma redução drástica da calorias e da gordura. Comer menos é uma coisa, diz Larry Cheskin, diretor do centro de gerenciamento de peso na Escola Bloomberg de saúde pública do Johns Hopkins, mas "as pessoas que estão fazendo dieta, por vezes, chegam a extremos. Há muitas pessoas que só iriam passar fome ." Cálculos biliares são uma complicação da drástica perda de peso e redução de gordura. Eles acontecem quando a vesícula biliar, o órgão responsável por nos ajudar a digerir e dispensar a gordura, não esvazia adequadamente para que a bile entre nela e assim começa a coagular (o chamado "êxtase de vesícula biliar"). Apesar da êxtase ser geralmente temporária e raramente resultar em doenças da vesícula biliar que exigem uma operação, cálculos biliares podem ser dolorosos. Seguir uma dieta muito rigorosa, e em seguida, voltar aos alimentos gordurosos podem também causar cálculos biliares. Cheskin diz que para qualquer paciente tentando perder uma quantidade significativa de peso, ele recomenda que tomem um pouco de gordura uma vez por dia (por exemplo, nozes, salada ou um pedaço de queijo) para estimular a vesícula biliar.

Outras complicações a curto prazo da dieta drástica - tontura, dores de cabeça e constipação - não vão causar danos permanentes, diz Cheskin. Uma vez que os pacientes retornam a uma dieta mais elevada em calorias, esses sintomas devem desaparecer. "eu não quero dar a impressão de que perder peso é muito perigoso de se fazer," diz Cheskin, acrescentando que uma dieta adequada e saudável aprovada por um médico é a melhor maneira de evitar complicações.

 

Tem Leite? Tem uma deficiência de ferro?

"Leite de vaca é o ‘alimento perfeito' para o bebê bezerros."

É uma frase conhecida, atribuída ao falecido Frank Oski, antigo Presidente de pediatria na escola de medicina e líder no centro Johns Hopkins Infantil. Oski atraiu a ira do Conselho Nacional de produtos lácteos com seu livro Don't Drink the Milk, em 1983, no qual ele afirmou que o leite não só causa desconforto intestinal para uma grande percentagem da população do mundo, como também pode desencadear certas alergias e contribuir para doenças do coração.”Ninguém deve beber leite, "Oski disse.

Os males do leite de vaca continuam calorosamente contestados, com alguns médicos - incluindo o falecido Benjamin Spock - alegando que produtos lácteos contribuem para uma variedade de problemas de saúde, enquanto outros especialistas defendem o teor de cálcio elevado e outros benefícios do leite de vaca. Embora o júri manténha-se por fora em produtos lácteos, não há dúvida que alguns pais são muito confiantes no leite de vaca como um alimento para crianças pequenas, diz Jennifer Anders, um professor adjunto da medicina da emergência pediátrica na escola de medicina. Quando crianças fazem a mudança de fórmula infantil fortificada de ferro para o leite de vaca, que contém quantidades insignificantes de ferro, podem desenvolver anemia e deficiência de ferro. "Se eles não começarem a comer um monte de alimentos sólidos [que contêm ferro] e eles apenas beberem várias garrafas (de leite) por dia - e eu tenho visto alguns que estão a beber um litro por dia de leite de vaca - esses filhos serão bebês lindos e gordinhos à distância, mas na verdade muito pálidos, e com anemia extrema. Vi níveis de hemoglobina de 2 ou 3 [em relação aos níveis saudáveis de 11 ou 12]. É quase inconcebível como eles ainda estão vivos com esse pequeno número de glóbulos vermelhos e hemoglobina cronicamente perdida no trato digestivo, contribuindo para a deficiência de ferro.

Se deixada sem tratamento, anemia severa pode ter complicações sérias, e acabar levando ao crescimento atrofiado e até mesmo insuficiência cardíaca. Anders diz que porque crianças que bebem um monte de leite de vaca geralmente vivem bem alimentados e saudáveis, a anemia pode ser difícil de detectar. "Minha experiência foi com a maioria dessas crianças, os pais não percebem nada. A criança parece muito boa - ele é gordinho e feliz e tudo parece bem. É geralmente quando eles vão para um check-up, ou alguma pessoa que não tenha visto a criança por um tempo o vê e faz observações sobre a palidez, o que aciona a atenção dos pais".

Até agora, a Academia Americana de Pediatria não veio à tona com um veredito a favor ou contra o leite de vaca, embora a regra geral é moderação. Para evitar a deficiência de ferro , a AAP recomenda que crianças pequenas tenham uma dieta que inclua alimentos sólidos ricos em ferro (como carnes, peixes e determinados vegetais verdes); a AAP afirma também que não deve ser dado o leite de vaca para as crianças, até que eles tenham, pelo menos, 12 meses de idade. Se e quando o leite de vaca é introduzido, deve ser parte de uma dieta saudável, equilibrada.

 

Revertendo o Milagre dos Antibióticos

Saudado como o milagre das drogas na década de 1940, antibióticos têm, de fato, salvado vidas por décadas. Infecções como a meningite bacteriana, dor de garganta, tuberculose, pneumonia e tosse compulsiva que mataram pessoas durante anos agora podem ser tratadas com antibióticos. Mas o uso excessivo e mau uso destas drogas começaram a inverter o milagre.

A Academia Americana de Pediatria estima que a cada ano, médicos escrevem 150 milhões de receitas de antibióticos. Neste mês de abril passado, a Organização Mundial da Saúde dedicou o dia mundial da saúde para combater a resistência aos medicamentos, avisou que a continuação da aplicação inadequada de antibióticos irá agravar o problema das superbactérias resistentes aos medicamentos, trazendo uma sociedade pré-antibióticos à tona. "O mundo está à beira de perder essas curas milagrosas," advertiu Margaret Chan, diretora-geral do WHO. Sem uma ação imediata, ela disse, "o mundo está indo rumo a uma era pós-antibióticos, no qual muitas infecções comuns deixarão de ter uma cura e, onde mais uma vez, matarão sem esmorecer."

Como se isso não fosse terrível o suficiente, superbactérias não são a única preocupação, diz Pranite Tamma, um especialista em doenças infecciosas pediátrica no centro Johns Hopkins infantil. A exposição prolongada a antibióticos pode levar a infecções fúngicas, perda auditiva, renal e lesão hepática ou diarréia severa de bactérias como Clostridium Difficile. Em um estudo publicado no início deste ano na Clínica de Doenças Infecciosas, Tamma e seus co-autores descobriram que encurtar os antibióticos em crianças hospitalizadas  com traqueíte proveniente da ventilação mecânica não só era eficaz na prevenção de pneumonia, em especial àquela associada à ventilação mecânica, (uma preocupação comum para pacientes em ventiladores), mas diminuiu o risco dos pacientes de infecção por germes multi-droga resistentes.Embora o estudo tenha sido focado em pacientes do hospital, Tamma diz que os mesmos princípios se aplicam ao uso do antibiótico fora do hospital, onde ocorre o uso da maioria.

Os antibióticos são eficazes apenas contra as infecções bacterianas, não vírus. Tamma diz que especialmente com crianças, pode ser difícil diferenciar os dois. Médicos erram não só por prescrever antibióticos quando eles não são indicados, mas por prescrever usos que são muito longos. "Tornou-se um reflexo prescrever antibióticos por um período muito longo de tempo, sem necessariamente pensar se cursos prolongados da terapia são realmente necessários," diz Tamma. "Para a maioria das infecções infelizmente não houve ensaios controlados randomizados comparando diferentes rumos da terapia." Outra preocupação é o tipo de antibiótico que está sendo prescrito. Quanto mais amplo o espectro, mais diferentes tipos de bactérias a droga pode matar, mas também mais prejudicial pode ser. Por exemplo, infecções de ouvido recorrentes em crianças pequenas, por vezes, que requerem vários cursos de antibióticos, cada droga mais forte do que o último. "O que provavelmente aconteceu é que as bactérias estavam sendo eliminadas, tiveram contato com o antibiótico, ficaram resistentes à ele e agora você é forçado a aumentar progressivamente para um antibiótico mais forte," Tamma diz, acrescentando que eventualmente, pode vir até o ponto onde não há um antibiótico forte o suficiente para erradicar a infecção.

Apesar dos riscos associados à utilização abusiva, Tamma diz que os pacientes não deve ter medo de tomar antibióticos quando eles estão garantidos."Como um médico de doenças infecciosas, eu digo claro que podem fazer algumas coisas maravilhosas, e eu lhes prescrevo regularmente," Tamma diz. "Mas eu acho que a principal mensagem é que temos de ter cuidado. Mesmo sabendo que eles tem seus benefícios, há definitivamente algumas toxicidades associadas a eles, se eles não são usados com sabedoria."

 

Sabão antibacteriano, o melhor assassino de germes

"Lave as mãos!" Quantas vezes você ouviu isso quando era uma criança, ou disse a seus próprios filhos? Uma das maneiras mais simples para se manter saudável é uma boa prática da higiene da mão . Na verdade, de acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças, higiene da mão é o passo mais importante que os profissionais de saúde podem tomar para impedir a propagação da infecção.

Parece que a melhor maneira de se livrar dos germes é usar um da infinidade de  sabonetes antibacterianos de mão disponíveis no mercado. Não necessariamente, diz Athena Kourtis, SPH ' 03 (MPH), um especialista em doenças infecciosas pediátricas da CDC e autora de manter seu filho saudável em um mundo de cheio de germes (Johns Hopkins University Press, 2011). Até onde o uso doméstico vai, não há nenhum estudo provando que sabonetes antibacterianos e produtos de limpeza para prevenir infecções são melhores do que simples sabonetes, Kourtis, diz. "E isso é provavelmente porque a maioria das infecções comuns em domicílios são infecções virais e vírus não serão mortos por sabonetes antibacterianos." Estes produtos poderiam estar fazendo mais mal do que bem. Porque os sabonetes antibacterianos são realmente antibióticos, seu uso excessivo pode promover o desenvolvimento de germes resistentes aos antibióticos - germes que poderiam ser transmitidas para qualquer pessoa."Particularmente com as crianças que compartilham de brinquedos e outros objetos na creche e na escola, onde demonstrou-se que se uma criança carrega em sua garganta, um germe que é resistente a amoxicilina, então você descobriu que até mesmo outras crianças na creche que não foram expostas para o antibiótico específico também carregam o germe resistente. Então isso é um problema que facilmente se espalha em toda a Comunidade,"diz Kourtis. "E há outros mecanismos também, não é apenas contato pessoal. Estas substâncias entram na água, em sistemas de esgotos, no chão e isso é um problema mais vasto na comunidade."

Produtos de limpeza antibacterianos contêm produtos químicos como triclosan e triclorocarbono, que matam bactérias. Sabão puro, por comparação, é menos tecnológico. Ele funciona através da ligação da sujeira ou outras partículas, tornando mais fácil para enxaguar essas partículas com água sem liberar produtos químicos problemáticos no ambiente. (Tem havido preocupação recente de que triclosan pode se tornar tóxico quando ele entra em contato com luz solar e triclorocarbono é suspeito de ser cancerígeno.) Em situações onde água e sabão não estão disponíveis, Kourtis defende a utilização de sanitizante. Muitos desses produtos contêm álcool, o que os torna eficaz contra bactérias e uma variedade de outros microrganismos, incluindo fungos e alguns vírus, como a gripe. Porque sanitizantes não contêm ingredientes antimicrobianos como triclosan, eles não contribuem para a resistência aos antibióticos, tornando-os escolha recomendada do CDC para uso por profissionais de saúde.

 

Natural, mas não inofensivo

As pessoas tomam óleo de peixe para reduzir o risco de doença cardíaca, ginkgo biloba para melhorar a memória, linhaça para diminuir o colesterol, e melatonina para ajudá-los a dormir, acreditando que ervas ou suplementos "naturais" devem ser mais seguros do que medicamentos convencionais por causa das palavras usadas para descrevê-los. Infelizmente, "ervas" ou "produtos naturais" nem sempre significam saúde - ou segurança - diz Lori Edwards, SPH 89, instrutor na escola de Mursing que ensina um curso sobre medicina complementar e alternativa. Edwards, embora auto-descrito como um proponente de produtos à base de plantas, salienta a importância de ser cauteloso sobre eles. Alguns suplementos são seguros e têm demonstrado benefícios clínicos. Outros podem ser perigosos.

Kava, uma erva usada para tratar a insônia e ansiedade, é um excelente exemplo. Ele foi vinculado à toxicidade hepática - incluindo hepatite, cirrose e insuficiência hepática - 25 casos na Europa, solicitando que a Food and Drug Administration emitisse um comunicado em 2002. (Kava está ainda disponível nos Estados Unidos, mas indivíduos com doença hepática ou que são outra forma de risco para problemas hepáticos são aconselhados a consultar um médico antes de tomá-lo). "Há essa suposição constante que, se é natural é bom," diz Edwards. "[As pessoas] não estão questionando as interações potenciais, a patologia potencial do que eles podem estar ingerindo."

O mais recente suplemento popular, arroz vermelho fermentado, comercializado como um tradicional remédio chinês para reduzir o colesterol, contém lovastatina, ingrediente ativo da droga vendida sob prescrição Mevacor. Edwards diz, "arroz vermelho fermentado foi um que eu tinha preocupações sobre seu uso porque na verdade é o mesmo componente químico como as estatinas" - uma classe de drogas usadas para diminuir o colesterol, o qual, como muitos medicamentos, pode causar problemas se não tomadas corretamente. (Vários produtos de arroz de fermento vermelho foram retirados de mercado os e.u. em 2007 depois que a FDA citou o risco de problemas musculares graves que podem levar a doença renal). Alguns suplementos naturais que estão seguros em isolamento podem causar interações prejudiciais quando misturado com outros remédios. Por exemplo, cranberry, óleo de peixe e Glucosamina podem aumentar o efeito da warfarina, um sangue mais fino; psyllium pode diminuir a eficácia da digoxina, um medicamento para o coração; e erva de São João tem sido conhecida para diminuir a eficácia de um número de drogas de prescrição diferentes, incluindo pílulas anticoncepcionais e medicamentos de coração.

"Eu acho que o público ainda não é tão esclarecido sobre este assunto, e também há os total céticos ou pessoas que não estão olhando essas informações cuidadosamente o suficiente," Edwards diz. "E essa é a minha preocupação sobre porque às vezes eles podem percebê-lo como sendo saudável, mas sem informações é arriscado."

 

Uma crise, um esforço, uma milha longe demais

Vários anos atrás, um grande grupo de alunos de ginástica em Taipei foi convidado pelo seu instrutor para fazer um teste de condicionamento físico - 120 flexões em cinco minutos. Dois dias mais tarde, 119 desses alunos foram para o departamento de emergência reclamando de dores musculares e urina escura. O diagnóstico: rabdomiólise (quebra rápida do músculo esquelético) induzida pelo exercício, uma condição que pode ocorrer quando um exercício vigoroso, repetitivo faz com que fibras musculares quebrem, liberando mioglobina - a proteína que compõe as células musculares - na corrente sanguínea. Em alguns casos, ele pode resultar em lesão renal temporária (geralmente revertida, quando dado fluído aos pacientes para ajudar a liberar a mioglobina dos rins). Mas em uma pequena porcentagem dos casos (5% a 7%), pode resultar  em complicações mais graves, incluindo arritmias e insuficiência renal.

Jennifer Anders, professora adjunta de medicina da emergência pediátrica na Medical School, diz que ela vê pacientes com rabdomiólise induzida por exercício 1 vez a cada ano ou dois. "Na maior parte tem sido com um exercício em particular, como flexões por uma hora, ou mil abdominais. Eles estão tentando realmente passar do seu limite."

Muitas pessoas têm problemas para fazer exercício suficiente; exagero geralmente não é o problema. Embora seja raro, rabdomiólise induzida pelo exercício pode acontecer a qualquer um, mesmo experientes maratonistas e atletas adolescentes saudáveis. "É realmente sobre fazer algo além do ponto onde pessoas sensatas parariam," diz Anders. "As situações que vi são onde alguém está sendo pressionado por um treinador ou se auto-pressionando para impressionar um treinador, o que é um absurdo mesmo quando eles contam a história - 'eu estava fazendo flexões por uma hora e meia!'"

Quando a rabdomiólise é induzida pelo exercício, ela geralmente não causa danos permanentes, diz Anders. "Basicamente nós apenas damos à eles muito fluído IV, bastante hidratação para seus rins não ficarem sobrecarregados com mioglobina. Ne verdade uma vez que você os hidrata suficientemente e deixa descansar um dia, eles poderão voltar para casa. E, em seguida, eles terão que descansar até que seus músculos estejam bem mais recuperados, provavelmente uma ou duas semanas até que eles estejam de volta para qualquer tipo de atividade [atlética]." Aqueles alunos de ginástica em Taipei? Como sua rabdomiólise foi percebida no início, nenhum dos alunos desenvolveram insuficiência renal e todos receberam alta do hospital depois de receber fluidos e obter algum descanso.